Mittwoch, 23. August 2017

CHILE: Marcha: a 6 años del asesinato de Manuel Gutiérrez (FERP)

Marcha: a 6 años del asesinato de Manuel Gutiérrez



¡LA REBELIÓN SE JUSTIFICA!

El 25 se conmemora el Día de las Victimas de Represión Policial, instaurado a causa del caso de Manuel y otros muertos a manos del viejo Estado. El 2011 carabineros regó las calles con sangre popular, cuando instauramos la lucha por una educación gratuita en todos sus niveles.
Manuel Gutiérrez, joven poblador de 16 años, se encontraba mirando las barricadas de la población Jaime Eyzaguirre de Macul. Lo asesinó a tiros el Cabo Miguel Millacura, quién disparó con una UZI, arma de guerra cuyo uso fue totalmente ilegal, para disuadir la protesta. El asesino fue perdonado de la condena que le correspondía, y solo le decretaron 400 días de presidio remitido en su hogar, siendo juzgado por la Justicia Militar, compuesta por sus mismos sargentos y generales de Carabineros y FFAA, una “justicia” hecha para proteger a los asesinos del pueblo.
¿Acaso fue esto un hecho aislado? Por supuesto que no. El asesinato es una decisión política del viejo Estado para frenar la lucha de las masas. Este Estado represor es una máquina de opresión de una clase por sobre otra y, en el caso de Chile, es una dictadura conjunta de grandes burgueses y terratenientes, títeres del imperialismo yanqui.

25 AGOSTO, 17:00 HRS.
POSTA 4 (JUAN MOYA CON AV. GRECIA - FRENTE LICEO SIRIA)



DOS PRONUNCIAMIENTOS: publicamos nuevamente esclarecedor pronunciamiento del Movimiento Clasista Popular y también una convocatoria a la II Marcha Universitaria en Apoyo al Magisterio (MEP)


El día 11 de Agosto se realizó una contundente movilización con estudiantes de San Marcos, la UNI y otras, luego en todas las movilizaciones hasta ayer hemos volanteado el pronunciamiento del MCP.
Saludos por su arduo y fructífero trabajo.
Lima, 23 de agosto de 2017
Un activista del Movimiento Clasista Popular
 
Asimismo, hemos recibido el pronunciamiento del MEP - Lima Metropolitana – PERÚ

Estimados...
Enviamos pronunciamiento de estudiantes universitarios.
Saludos c.
Lima, 23 de agosto de 2017
 
Estimados lectores:
Cumplimos con publicarlos para conocimiento de nuestros lectores y sobre todo de nuestros c. maestros clasistas del Perú que están escribiendo gloriosas páginas de la lucha de clases en nuestro país .
AND
Agosto de 2017
 
 
      ¡Por una línea de clase y antiimperialista en el movimiento popular!
 
                                                 PRONUNCIAMIENTO
 

“… las masas reclaman la unidad. Las masas quieren fe.  Y por eso su alma rechaza la voz corrosivo, la voz disolvente y pesimista de lo que niegan y de los que dudan, y buscan la voz optimista y cordial, juvenil y fecunda de los que afirman y de los  que creen.”
                                                                                                                 JOSÉ CARLOS MARIÁTEGUI.
“…el revisionismo es una avanzada de la burguesía en la filas del proletariado y de ahí deriva el que escinde,… divide el movimiento sindical, escinde, divide el movimiento popular… El revisionismo obviamente es un cáncer, un cáncer que tiene que ser implacablemente barrido,…El revisionismo ya perdió la partida, el resto es tiempo; el problema ya está definido, la basura ha comenzado a ser barrida, incendiada… La partida ya la comenzaron a perder hace muchos años. Y si fuéramos más allá, a los principios, la partida la perdieron desde que se convirtieron en revisionistas, pues la partida se pierde desde que se abandonan los principios…”
 
La coyuntura  política actual, está enmarcada por la crisis general a nivel mundial del imperialismo, esta crisis la descarga sobre los hombres de los países del tercer mundo y agudiza las contradicciones fundamentales de la época en el mundo, se profundiza la crisis y las masas se levantan, los pueblos se organizan, la tendencia principal e histórica se muestra en mayor organización y luchas conjuntas a un salto cualitativo en diferentes lugares hasta luchas de resistencia  y de liberación nacional , un claro ejemplo es la lucha desenvuelta en Alemania contra el G-20, fue organizado y planificado por diferentes organizaciones Maoístas, progresistas y sindicales de diferentes países, que se opusieron en plena cumbre con marchas, protestas contundentes y enfrentamientos mismas batallas contra las fuerzas reaccionarias repudiando lo que acordaban los imperialistas y principalmente los yanquis, la mayor explotación, saqueo y dominio a las naciones oprimidas, lo cual la Alemania de Merkel reprimió con todo su odio de hiena salvaje a una gran multitud  que actúo bien disciplinada y que defendían sus derechos e independencia.
 
 Se agudizan las contradicciones(colusión y pugna) inter imperialistas y principalmente las contradicciones naciones oprimidas contra el imperialismo yanqui, siendo esta la contradicción principal en el mundo, EE.UU. gigante podrido con pies de barro que se lanza feroz, desata matanzas y agresiones contra los pueblos del mundo hundiéndose en medio del genocidio que cometen, estrellándose contra el temple indoblegable de la India, Turquía, Filipinas, Medio Oriente, Siria, Corea del Norte, Venezuela, Brasil, México, Chile e incluso Nepal, Libia, Irak, Afganistán, Palestina, Bolivia, Ecuador y Perú resisten contra la invasión, saqueo y hambre demostrando que tienen su vanguardia organizada que las defiende y estos verdugos pagarán todos sus crímenes, con las  manos incesantes y transformadoras de las masas hacia su verdadera libertad.
En lo nacional el Estado peruano está en crisis económica, política y social a más de la crisis ideológica, cultural y hasta de la salud, expresándose su descomposición y hundimiento, así vemos pugnas y aguda contradicción en su seno como en su gobierno vendepatria, en su  parlamento burgués y el poder judicial atizado por la lucha popular, PPK gobierna a la sombra de la facción compradora  ya que tienen una gran mayoría de oposición de tendencia fascista(fuerza popular) que se reúnen en secreto, dictan leyes en su beneficio y sometidos a EE.UU.
 
 En  su discurso del 28 ha tratado muy poco o nada sobre demandas sociales y la problemática del pueblo, tanto así que se ha evaluado y nos miente con una autocrítica de su gobierno lo cual se viste de rosa, ha mencionado reforma y modificatoria del CNM, ajustará su poder judicial, lo cual será un manejo fascista y corporativo por el Ejecutivo y miembros del circo parlamentario para tapar sus atrocidades e impunidad de todos los asesinos del pueblo, persiguiendo a los que salen a luchar por sus derechos laborales, cuando éste  solo es servil a sus amos a través del BM, FMI y el BID que son instrumentos de sometimiento y opresión de nuestro país; ya los 6 jueces supremos han pedido al presidente del poder judicial Duberlí Rodríguez(fascista que actuaba a la sombra del Apra-fujimorismo) convocar a todos los magistrados supremos para tratar la propuesta del gobierno que busca cambiar el CNM.
La lucha de clases en el país  se ha agudizado, se ha generalizado en todo el ámbito nacional : vemos la Huelga Médica Nacional desde el 4 de Julio, incluso el gremio de Enfermeras  a nivel de todo el Perú habían iniciado su lucha a fines de Junio, defendiendo el derecho a mejores condiciones de trabajo, mejoras salariales e implementos de equipos médicos para atender a los pacientes y defendían sus turnos de guardias nocturnos y subvención alimenticia; por otra parte la Federación Médica del Perú  su lucha la inicio con muchos hospitales paralizados a nivel nacional por Mejoras de infraestructura, abastecimiento de medicinas, insumos y equipos médicos, denunciaban que el Zika no es un sicosocial y demostró  que gran parte de la población del Norte y selva del país han sufrido y muerto  por este mal y el dengue, además de pedir mayor presupuesto el sector salud y el SIS, exigían Rechazo a la privatización de los servicios de Salud y mejoras salariales.
 
 Los mineros del Perú se han movilizado, realizando gigantesca marcha juntos a los Médicos y Maestros con la clase obrera han estremecido el propio poder político, económico, militar y religioso llegando a la misma capital Lima antes del Discurso de 28 de  PPK, la lucha de los cafetaleros de la Selva Central  han continuado persistente y abraza buena perspectiva y por la defensa de sus tierras juntos a los agricultores pero nadie ha tocado el tema ni los gobiernos regionales, queriendo tapar sus voces que si se oyen y se unen a ella diferentes gremios y pueblo en general. A  esto sumamos la lucha de los Maestros en Huelga Nacional Indefinida(HNI), hoy más de 21 regiones de selva, sierra y costa  con potentes jordanas de lucha, desde movilizaciones, bajada a colegios concientizando a los Profesores para la HNI, quemas de llantas hasta toma de plazas, Toma de Aeropuertos y Toma de principales carreteras, etc. agitando sus banderas y plataforma de lucha, siendo más contundentes en Huancavelica, Junín, Cuzco, Puno, Ayacucho, Madre de Dios, Ancash, Arequipa, Apurímac, Barranca, Cañete, etc. 
 
 Los Maestros de Lima están acatando el clamor de las bases y haciendo respetar esta lucha desenmascarando a los traidores del CEN-Patria Roja, Movadef, etc. donde recién los medios de comunicación informan de la HNI y ante la arremetida de la línea clasista y combativa , el gobierno del Yanqui PPK  llama ir a sus aulas el 7 de Agosto sino les descontarían, desprestigiando a los profesores y usando el chantaje para despedir o reprimir su lucha lo cual ha indignado a todo el Magisterio nacional, sumándose más regiones del país, todo Lima y el Callao, estos días han realizado gigantescas movilizaciones con padres de familia, estudiantes , Frentes de Defensas y pueblo en general acordando mayores hazañas en Defensa de la Educación, como dijo un dirigente regional el 2015 y hoy es parte de Comité de Lucha en la HNI:
 
“La experiencia huelguística del año 2012, nos muestra claramente que no es posible frenar la arremetida de la política fascista diseñada y elaborada por el imperialismo y ejecutado por el Estado peruano y los gobiernos de turno, como la implementación de la ley de reforma magisterial 299944 con un magisterio fraccionado y dividido, con plataformas y fechas diferentes, sino desarrollar lucha conjunta, con una sola plataforma y programa de lucha, lo que no significa que debemos unirnos con la costra usurpadora del CEN- Patria Roja del SUTEP, porque claro está que ellos enarbolan la plataforma de lucha del imperialismo, el  Estado peruano y de todos los reaccionarios. Es con este objetivo y no con otros fines, que se viene participando en diferentes coordinaciones y reuniones de trabajo con otras fuerzas del magisterio nacional, planteando como única agenda la HNI, plataforma única de lucha y única fecha de inicio de la Huelga Nacional…”.
 
 Estas palabras sinceras y consecuentes vienen a ser el aporte al magisterio y por tanto el  logro y avance hoy de la HNI, no de grupos liquidadores ni anarquistas, ni de ideas pueriles cabezas de ánforas que se viene desenmascarando en el crisol de la lucha, firmes y disciplinados el movimiento sindical guiados por la línea clasista, por estas razones que los padres, estudiantes y pueblo peruano debemos solidarizarnos y apoyar esta lucha que también es nuestra, nos reafirmamos en algunos puntos de la plataforma de lucha:¡Contras las evaluaciones políticas de despido masivo!¡Cese a la privatización de la Educación, vía la racionalización y concesiones a las APP!¡Por el pago íntegro del 30% y otras incumplidas!¡Por aumento general de Pensiones, Bonificaciones y Remuneraciones para nombrados, contratados, cesantes y jubilados de acuerdo al costo de vida!¡Por la defensa da la Educación  Pública gratuita y rechazo a su privatización!¡Derogatoria de las leyes 299944 y su modificatoria, ley 30328 del servicio docente,  respeto y plena vigencia de los derechos conquistados con la Ley del Profesorado y su modificatoria! ¡Desenmascarar y combatir al imperialismo principalmente norteamericano,  enemigo  principal de las naciones y pueblos oprimidos  del mundo y su plan guerrerista!¡Solidaridad de clase con las luchas antiimperialistas, de liberación nacional y reivindicativas que vienen librándose en diferentes partes del mundo!¡Desenmascarar y aplastar el oportunismo y revisionismo contemporáneo infiltrado en el movimiento popular!¡No al pago de la parasitaria deuda externa!
 
 El yanqui PPK juega al diálogo y al chantaje, usa a nuevos y viejos revisionistas, carcamanes contra nuestro pueblo, para detener las luchas, en el descaro y desparpajo dice no tener presupuesto   ya que se ha destinado al fenómeno del “niño costero”, es decir a la “reconstrucción con cambios”, pero todavía no inician nada, en Piura- Catacaos bloquearon las vías, hubo paralización junto con los transportistas  y el gobierno regional para que inicien las obras que dificultan las carreteras y no hacen las obras pendientes, miente y sorprende a los Maestros; ahora han subido la gasolina monopolizando el mercado y en otros países es más barato el petróleo, se incrementan las tarifas de agua potable y luz en este mes, los productos de primera necesidad incrementaron sus precios y dicen apuestan por la agricultura “que tienen que preservar y proteger los bosques”, el Minagri “implementará plantas lecheras”, que “empujarán la producción agraria” sobre todo en los pequeños productores, recién se dan cuenta que el campesinado es el sostén y los tienen olvidados, todo será promesa o un saludo a la bandera que es lo que siempre hacen y sino el campo se levanta lo cual se polarizará  más el país; la helada en país es mortal cerca de 37.000 afectados en Huancavelica por el frio que se ubican a más de 3,500 metros de altura, también afectó a 50,206 animales, es reporte del COEN y sin mencionar los demás lugares de Puno, Ancash, Cuzco Huánuco ,etc. que podemos esperar si ellos viven de nuestras riquezas, hay un poder en pocas manos, hay élites corporativas, manejan los medios de comunicación a su antojo y los empresarios a través de la Confiep dominan y designa a los ministros sobre todo al de Economía y Finanzas, tienen influencia enorme en el Estado nunca nos defenderán sino explotarán y detendrán  si sales a las calles a exigir tus derechos y  a gozar de una vida digna.
 
Pueblo peruano unete a la lucha y organizate para defender tus verdaderos derechos, por una nueva sociedad justa, verdadera que haya felicidad y no falte el pan.
 

 
¡UNIR AL PUEBLO CONTRA LA INTERVENCIÓN DEL IMPERIALISMO YANQUI Y DE SUS TROPAS MERCERARIAS EN EL PERÚ Y AMÉRICA LATINA!
¡COMBATIR IMPLACABLEMENTE CONTRA EL REGIMEN FASCISTA, GENOCIDA Y VENDEPATRIA QUE HOY ENCABEZA EL YANQUI KUCZYNSKI!
¡ABAJO LAS LEYES ANTILABORALES Y LEYES DE CONTROL POLICIACO, SOCIAL – CORPORATIVO CONTRA LA JUVENTUD Y EL PUEBLO!
¡CONTRA LA PRIVATIZACIÓN DE LA EDUCACIÓN, LA SALUD Y LA VENTA DEL PERÚ! ¡POR LOS DERECHOS DEL PUEBLO!
¡CONTRA LA CRISIS  Y EL ALTO COSTO DE VIDA! ¡POR EMPLEO Y AUMENTO REAL DE SALARIOS, SUELDOS Y PENSIONES!
¡VIVA EL SUTEP CLASISTA Y COMBATIVO!
¡FUERA YANQUIS DEL MEDIO ORIENTE, COREA DEL NORTE Y VENEZUELA!
¡VIVAS LAS LUCHAS DEL HEROICO PUEBLO PERUANO!
 
Perú, Agosto del 2017
                                                   MOVIMIENTO CLASISTA POPULAR
 
 
SOBRE LA II MARCHA UNIVERSITARIA EN APOYO AL MAGISTERIO
 
 

SOBRE LA II MARCHA UNIVERSITARIA EN APOYO AL MAGISTERIO
 
 
 
 
 
 
 

Dienstag, 22. August 2017

Algunas informaciones de los diarios reaccionarios sobre la HNI de las Bases Regionales del SUTEP

Huelga de maestros sigue: diálogo se rompió y no se firmó acuerdo con Minedu

El Ministerio de Educación estaba a la espera de la respuesta de los dirigentes que todavía acatan la huelga de maestros a nivel nacional


Huelga de maestros: vuelven a movilizarse por las calles el centro de Lima
El Ministerio de Educación ha tratado de lograr un acuerdo con los manifestantes con un diálogo que duró unos cuatro días. (Archivo El Comercio)

La huelga de maestros continúa. El Ministerio de Educación y los dirigentes con quienes se trató de llegar a un acuerdo para levantar esta medida de fuerza no firmaron ningún documento, dando por terminado un proceso de diálogo que duró cuatro días.
"Después de cuatro días terminó todo el tema. El resultado no fue positivo. Los maestros no quieren dar su brazo a torcer", detalló el congresista de Acción Popular Edmundo del Águila, quien fue parte del proceso de mediación entre huelguistas y el Ejecutivo.
Esa misma información fue confirmada por el vocero de Peruanos por el Kambio, parte también de la comitiva parlamentaria de observadores del diálogo. "Concluimos nuestra labor como voceros de intermediar entre el Minedu y delegados Sutep regionales. Nuestra predisposición no avanzó", informó.
Los dirigentes de las regiones en huelga, encabezados por Pedro Castillo, presidente del Comité de Lucha, aseguran que el diálogo se frustró porque exigen dialogar directamente con la ministra de Educación, Marilú Martens.
Cabe destacar que Martens no habló en persona con los dirigentes que ingresaron al Minedu. La conversación fue a través de la comitiva de congresistas. Pedro Castillo, dirigente cuestionado por el Ejecutivo y a quien le sindican vínculos con el SUTE Conare que domina Movadef, se retiró a las 7:45 p.m. aproximadamente, confirmando así que se había quebrado el diálogo.
"La verdad es que, por el bien de los niños del Perú, la meritocracia y la evaluación no puede ser negociada [...] En las negociaciones que se habían hecho con el Comité de Lucha y dirigentes habían compromiso del Estado por S/2 mil millones, nada menos, pero ellos (docentes) optaron exigir que se suspenda la evaluación docente", reclamó Jorge del Castillo, congresista aprista y parte del grupo observador del Parlamento.

​Profesores radicalizan huelga y bloquean carretera Huancavelica - Huancayo

Obstaculización de la vía fue desde el sector de Sachapite hasta Escalera en el distrito de Huando

​Profesores radicalizan huelga y bloquean carretera Huancavelica - Huancayo

16 de Agosto del 2017 - 10:18 » Textos: Raúl Zubilete » Fotos: Raúl Zubilete
Protestas. En la víspera, el dirigente del SUTE Huancavelica informaba que las medidas como respuesta a la falta de diálogo de parte del Ministerio de Educación, serían más radicales, lo cual cumplieron ayer los docentes que llevan más de un mes de huelga en el departamento.
Desde muy temprano, la carretera de Huancavelica hacia la ciudad de Huancayo fue obstaculizada con piedras de diversos tamaños, que fueron colocadas por los profesores como parte de su protesta.
Fueron más de 30 kilómetros, en diversos tramos, que la carretera lucía prácticamente llena de piedras, rocas, tierra e incluso restos de vidrios que hacían imposible el paso de los vehículos.
El tránsito fue restringido desde Sachapite, a 10 kilómetros de Huancavelica, hasta Escalera del distrito de Huando. Entre las tantas unidades varadas, figuró la camioneta del rector de la UNH, Nicasio Valencia, quien se dirigía hacia la Ciudad Incontrastable, también la del alcalde Julio Chumbes quien no llegó a una ceremonia.
Uno de los lugares donde los piquetes de manifestantes generó mayor problema fue entre el límite de las localidades de Sachapite y Ccarahuasa, donde los huelguistas colocaron rocas de considerable peso y tamaño.
Los encargados de retirar las piedras fueron los efectivos policiales de Huancavelica; sin embargo, fue insuficiente, ya que una vez despejado un tramo, después de cierto tiempo la vía estaba nuevamente interrumpida, pues los profesores volvían a colocarlos y luego se dirigían a los cerros cercanos.
CAMINAN. Las personas que se trasladaban a lugares cercanos de Sachapite, caminaron varios kilómetros bajo un calor incesante.

Huelga de maestros: Enfrentamiento entre policías y docentes generó caos en el Centro de Lima (VIDEO)

Reunión entre el Ministerio de Educación y dirigentes se reanudará a las 5pm

Huelga de maestros: Enfrentamiento entre policías y docentes generó caos en el Centro de Lima (VIDEO)

21 de Agosto del 2017 - 13:10 » Textos: Video: Pedro Melendez
Ante la expectativa por la reunión que sostendrán los representantes del Ministerio de Educación (MINEDU) con dirigentes del gremio de maestros, cientos de docentes marcharon por la calles del Centro de Lima como medida de protesta. En plena avenida Tacna se registraron desmanes y actos de violencia entre los manifestantes y los agentes de la Policía Nacional.
Los profesores se encontraban marchando por la avenida Tacna; sin embargo, la policía tuvo que hacer uso de los gases lacrimógenos para dispersar a los huelguistas. Aún se desconoce qué motivó el enfrentamiento entre ambos bandos.
Cabe indicar que la jornada de negociaciones entre el Gobierno y los profesores huelguistas se reanudará hoy a las 5 de la tarde en la sede del Ministerio de Educación en San Borja y será resguardada con un amplio contingente policial. Como mediadores, intervendrán congresistas de diversas bancadas.

Teses gerais sobre a Questão do Oriente (V.I. Lenin, 1922)

Teses gerais sobre a Questão do Oriente (V.I. Lenin, 1922)


Em celebração ao centenário da Grande Revolução Socialista de Outubro na Rússia (1917), dirigido pelo Partido Comunista (bolchevique) da Rússia, sob a chefatura do grande Lenin.

I
O crescimento do movimento operário no Oriente
Baseando-se na experiência da edificação soviética no Oriente e no crescimento dos movimentos nacionalistas revolucionários nas colônias, o Segundo Congresso da Internacional Comunista fixou a posição principal do conjunto da questão nacional e colonial em uma época de luta a longo prazo entre o imperialismo e a ditadura do proletariado.
Posteriormente, a luta contra o jugo imperialista intensificou-se consideravelmente nos países coloniais e semicoloniais, sobre o terreno do aprofundamento da crise política e econômica do imperialismo do pós-guerra.

Os fatos seguintes o provam: 1º, o fracasso do tratado de Sevres, que tinha por objetivo o desmembramento da Turquia e a restauração da autonomia nacional e política desta; 2º, um forte recrudescimento do movimento nacionalista e revolucionário na Índia, na Mesopotâmia, no Egito, em Marrocos, na China e na Coréia; 3º, a crise interna sem saída em que o imperialismo japonês está comprometido, crise que provocou o rápido incremento dos elementos da revolução democrático-burguesa e a passagem do proletariado japonês para uma luta de classes autônoma; 4º, o despertar do movimento operário em todos os países orientais e a formação de partidos comunistas em quase todos esses países.
Os fatos mencionados são um indício da modificação na base social do movimento revolucionário das colônias. Esta modificação provoca uma intensificação da luta anti-imperialista, cuja direção, assim, não pertence mais exclusivamente aos elementos feudais e à burguesia nacionalista que estão dispostos a comprometerem-se com o imperialismo.
A guerra imperialista de 1914-18 e a longa crise do capitalismo, sobretudo do capitalismo europeu, que a esta seguiu, debilitaram a tutela econômica das metrópoles sobre a colônia.
Por outro lado, as mesmas circunstâncias que tiveram por resultado um estremecimento da base econômica e da esfera de influência política do capitalismo mundial, acentuaram ainda mais a competição capitalista em torno das colônias, provocando uma ruptura de equilíbrio em seu conjunto, do sistema capitalista mundial (luta pelo petróleo, conflito anglo-francês na Ásia Menor, rivalidade japonesa-americana pelo domínio do Oceano Pacífico, etc).
Precisamente, esse enfraquecimento da influência do capitalismo sobre as colônias, ao mesmo tempo que a rivalidade crescente dos diversos grupos imperialistas, é o que facilitou o desenvolvimento do capitalismo nativo nos países coloniais e semicoloniais. Esse capitalismo já sobrecarregou e continua sobrecarregando o marco estreito e importuno do domínio imperialista das metrópoles. Até agora, o capital das metrópoles insistia em querer monopolizar a mais-valia da exploração comercial, industrial e fiscal dos países atrasados, tentando isolá-los da circulação econômica do resto do mundo. A reivindicação de uma autonomia nacional e econômica levantada pelo movimento nacionalista colonial é a expressão da necessidade de um desenvolvimento burguês sentido por estes países. O progresso constante das forças produtivas nativas nas colônias encontra-se, assim, em contradição irreparável com os interesses do capitalismo mundial, pois a própria essência do imperialismo implica a utilização da diferença de nível que existe no desenvolvimento das forças produtivas dos diversos setores da economia nacional, com o objetivo de assegurar a totalidade da mais-valia monopolizada.
II
As condições da luta
O caráter atrasado das colônias manifesta-se na diversidade de movimentos nacionalistas revolucionários dirigidos contra o imperialismo e reflete os diversos níveis de transição entre as correlações feudais, feudal-patriarcais e o capitalismo. Esta diversidade confere um aspecto particular à ideologia destes movimentos.
Nestes países, o capitalismo surgiu e desenvolveu-se sobre uma base feudal, tomou formas incompletas, transitórias e bastardas, que deixam a preponderância, especialmente, ao capital comercial e usurário (Oriente muçulmano, China). Desta maneira, a democracia burguesa toma uma via desviada e complicada para diferenciar-se dos elementos feudal-burocráticos e feudal-agrários. Tal é o principal obstáculo para o êxito da luta contra o jugo imperialista, pois o imperialismo estrangeiro não deixa de transformar, em todos os países atrasados, a camada superior feudal (e em parte semifeudal, semiburguesa) da sociedade nativa, em instrumentos de sua dominação (governos militares ou toukoiuns na China, burocracia e aristocracia na Pérsia, arrendatários de terra, zemindares e talukdars na Índia, colonos de formação capitalista no Egito, etc).
Por outro lado, as classes dirigentes destes países coloniais e semicoloniais não têm nem a capacidade nem o desejo de dirigir a luta contra o imperialismo, à medida que esta luta se transforma em um movimento revolucionário de massas. Somente em lugares onde o regime feudal-patriarcal não se decompôs de forma suficiente, para separar completamente as altas camadas nativas das massas do povo, como, por exemplo, entre os nômades e os seminômades, os representantes destas altas camadas podem assumir o papel de guias ativos na luta contra a opressão capitalista (Mesopotâmia, Mongólia, Marrocos).
Nos países muçulmanos, o movimento nacional encontra sua ideologia a princípio nas consignas político-religiosas do pan-islamismo, o que permite aos funcionários e aos diplomatas das metrópoles utilizar os prejuízos e a ignorância das multidões populares para combater este movimento (é assim que os ingleses jogam com o pan-islamismo e o pan-arabismo, declarando querer transportar o Califado para a Índia, etc. e o imperialismo francês especula com as “preferências muçulmanas”). Porém, à medida que se engrandece e amadurece o movimento de emancipação nacional, as consignas político-religiosas do pan-islamismo são substituídas por reivindicações políticas concretas. O que confirma isso é a luta iniciada recentemente na Turquia para tirar do califado seu poder temporário.
A tarefa fundamental, comum a todos os movimentos nacional-revolucionários, consiste em realizar a unidade nacional e a autonomia política. A solução real e lógica desta tarefa depende da importância das massas trabalhadoras, que este ou aquele movimento nacional saiba separar em seu caminho, depois de ter rompido todas as relações com os elementos feudais e reacionários e levando em seu programa as reivindicações sociais das massas.
Dando-se muito bem conta de que nas diversas condições históricas os elementos mais variados podem ser os representantes da autonomia política, a Internacional Comunista sustenta todo movimento nacional-revolucionário dirigido contra o imperialismo. Porém, a Internacional Comunista ao mesmo tempo não perde de vista que somente uma linha revolucionária consequente baseada na participação das grandes massas, na luta ativa e na ruptura sem reserva com todos os partidos da colaboração com o imperialismo, pode levar as massas oprimidas à vitória. O laço que existe entre a burguesia nativa e os elemento feudal-reacionários permite aos imperialistas aproveitar muito bem a anarquia feudal, a rivalidade que reina entre os diversos clãs e tribos, o antagonismo entre a cidade e o campo, as lutas entre castas e seitas nacional-religiosas, para desorganizar o movimento popular (China, Pérsia, Curdistão, Mesopotâmia).
III
A questão agrária
Na maioria dos países orientais (Índia, Pérsia, Egito, Síria, Mesopotâmia) a questão agrária tem primordial importância na luta pela libertação do jugo do imperialismo metropolitano. Explorando e arruinando a maioria campesina dos países atrasados, o imperialismo a priva dos meios de vida fundamentais, enquanto que a indústria pouco desenvolvida, dispersa em diferentes lugares do país, é incapaz de absorver o excedente de população rural que, além disso, não pode sequer emigrar. Os camponeses pobres que permanecem em sua terra transformam-se em servos. Se nos países civilizados as crises industriais de pré-guerra cumpriam o rol de reguladores da produção social, nas colônias esse rol regulador é cumprido pelas penúrias.
O imperialismo, que tem interesse vital em receber a maior quantidade de benefício com a menor quantidade de gasto, mantém até sua última instância nos países atrasados, as formas feudais e usurárias de exploração de mão de obra. Em certos países, como por exemplo na Índia, atribui o monopólio pertencente ao Estado feudal-nativo, o usufruto das terras, e transforma o imposto da terra em uma renda que deve ser entregue ao capital metropolitano e seus comissionados, os “Zemindaram” e “talukdar”. Em outros países, o imperialismo se apodera da renda da terra, servindo-se para isto da organização nativa da grande propriedade da terra (Pérsia, Marrocos, Egito, etc).
Resulta disto que a luta pela supressão das barreiras e dos rendimentos feudais sobre as terras que ainda restam, apresentam o caráter de uma luta de emancipação nacional contra o imperialismo e a grande propriedade feudal da terra. Pode-se tomar como exemplo a sublevação dos moplahs contra os proprietários da terra e os ingleses no outono de 1921 na Índia, e o levante dos sijs, em 1922. Unicamente uma revolução agrária que tenha por objetivo a expropriação da grande propriedade feudal é capaz de sublevar as multidões campesinas e de adquirir uma influência decisiva na luta contra o imperialismo. Os nacionalistas burgueses têm medo das consignas agrárias, e as cerceiam tanto quanto podem (Índia, Pérsia, Egito), o que prova a estreita ligação que existe entre a burguesia nativa e a grande propriedade da terra, feudal e feudal-burguesa. Isto prova também que, ideológica e politicamente, os nacionalistas dependem da propriedade da terra. Estas dúvidas e incertezas devem ser utilizadas pelos elementos revolucionários para uma crítica sistemática e divulgadora do caráter híbrido da política dos dirigentes burgueses do movimento nacionalista. É precisamente esta política híbrida o que dificulta a organização e a coesão das massas trabalhadoras, como o prova o fracasso da tática de resistência passiva na Índia (não cooperação).
O movimento revolucionário nos países atrasados do Oriente somente pode ser coroado com o êxito se estiver baseado na ação das multidões campesinas. É por isso que os partidos revolucionários de todos os países orientais devem determinar claramente seu programa agrário e exigir a total supressão do feudalismo e suas sobrevivências, que encontram sua expressão na grande propriedade da terra e na isenção do imposto sobre a terra. A fim de uma participação ativa das massas campesinas na luta pela libertação nacional, é indispensável proclamar uma modificação radical do sistema de usufruto do solo. Ao mesmo tempo, é indispensável forçar os partidos burgueses nacionalistas a adotar a maior parte possível deste programa agrário revolucionário.
IV
O movimento operário no Oriente
O jovem movimento operário oriental é um produto do desenvolvimento do capitalismo nativo destes últimos tempos. Até o presente, a classe operária nativa, inclusive se se considera seu núcleo fundamental, está atravessando uma época transitória, caminhando da pequena oficina corporativa para a fábrica de grande tipo capitalista. Enquanto que os intelectuais nacionalistas burgueses arrastam a classe operária para dentro do movimento revolucionário para lutar contra o imperialismo, seus representantes assumem imediatamente um papel diretor na ação e na organização profissional embrionária.
No começo, a ação da classe operária não ultrapassa o marco dos interesses “comuns a todas as nações” de democracia burguesa (greves contra a burocracia e a administração imperialista na China e na Índia). Geralmente, como indicou o Segundo Congresso da Internacional Comunista, os representantes do nacionalismo burguês, explorando a autoridade moral e política da Rússia soviética e adaptando-se ao instinto de classe dos trabalhadores, embandeiram suas aspirações democrático-burguesas dentro do “socialismo” e do “comunismo” para assim desviar, por vezes sem se dar conta, os primeiros órgãos embrionários do proletariado de seus deveres de organização de classe (tal o Partido Berhill Ardou na Turquia, que repintou o pan-turquismo de vermelho, e o “socialismo de Estado” preconizado por certos representantes do Partido Kuo-Ming-Tang).
Apesar disto, o movimento profissional e político da classe operária dos países atrasados tem progredido muito nos últimos anos. A formação de partidos autônomos da classe proletária em quase todos os países orientais é um fato sintomático, embora a esmagadora maioria destes partidos deva fazer ainda um grande trabalho interior para libertar-se do espírito de gangue e de muitos outros defeitos. A Internacional Comunista apreciou em seu justo valor, desde o começo, a importância potencial do movimento operário no Oriente, e isto bem prova que os proletários do mundo inteiro estão unificados internacionalmente sob a bandeira do Comunismo. As Internacionais II e III/2 até o presente não encontraram partidários em nenhum dos países atrasados, devido a que estas internacionais se limitam a jogar um “papel auxiliar” diante do imperialismo europeu e norte-americano.
V
Os objetivos dos Partidos Comunistas orientais
Os nacionalistas burgueses apreciam o movimento operário de acordo com a importância que podem ter para sua vitória. O proletariado internacional aprecia o movimento operário oriental a partir do ponto de vista de seu futuro revolucionário. Sob o regime capitalista, os países atrasados não podem utilizar as conquistas da ciência e da cultura contemporânea sem pagar um enorme tributo à exploração e à opressão bárbaras do capital metropolitano. A aliança com os proletários dos países altamente civilizados lhes será vantajosa, não somente porque corresponde aos interesses de sua luta comum contra o imperialismo, mas também porque será depois de haver triunfado que o proletariado dos países civilizados poderá prestar aos trabalhadores do Oriente uma ajuda desinteressada para o desenvolvimento de suas forças produtivas atrasadas. A aliança com o proletariado ocidental abre o caminho para uma federação internacional de repúblicas soviéticas. O regime soviético oferece aos povos atrasados o meio mais simples para passar de suas condições elementares de existência para a alta cultura do Comunismo, o qual está destinado a suplantar na economia mundial o regime capitalista de produção e de repartição. O maior testemunho disto é a experiência da edificação soviética nas colônias libertadas do ex-império russo. Somente uma forma de administração soviética é capaz de assegurar o coroamento lógico da revolução agrária campesina. As condições específicas da economia agrícola em certas partes dos países orientais (irrigação artificial), mantidas antigamente por uma organização original de colaboração coletiva sobre uma base feudal e patriarcal e comprometida atualmente pela pirataria capitalista, exigem igualmente uma organização política capaz de satisfazer sistematicamente as necessidades sociais. Como consequência de condições climáticas, sociais e históricas particulares, corresponde ao Oriente em geral, no período transitório, um papel importante para a cooperação de pequenos produtores.
As tarefas objetivas da revolução colonial superam o marco da democracia burguesa. Com efeito, sua vitória decisiva é incompatível com o domínio do imperialismo mundial. De início, a burguesia nativa e os intelectuais nativos assumem o papel de pioneiros dos movimentos revolucionários coloniais, mas a partir do momento em que as massas proletárias e camponesas incorporam-se a tais movimentos, os elementos da grande burguesia e da burguesia latifundiária se apartam, deixando a iniciativa aos interesses sociais das camadas inferiores, do povo.  Uma longa luta, que durará toda uma época histórica, espera o jovem proletariado das colônias, luta contra a exploração imperialista e contra as classes dominantes nativas que aspiram monopolizar todos os benefícios do desenvolvimento industrial e intelectual e querem que as massas fiquem como no passado, em uma situação “pré-histórica”.
Esta luta pela influência sobre as massas camponesas deve preparar o proletariado nativo no rol da vanguarda política.
Apenas após ter sido submetido a este trabalho preparatório e após lhe terem sido submetidas as camadas sociais adjacentes, o proletariado nativo se encontrará preparado para enfrentar a democracia burguesa oriental, que tem uma característica de formalismo ainda mais hipócrita que a burguesia do ocidente.
A negativa dos comunistas das colônias em tomar parte na luta contra a opressão imperialista, sob o pretexto de “defesa” exclusiva dos interesses de classe, representa um oportunismo da pior qualidade e que não pode mais que desacreditar a revolução proletária no Oriente. Não menos nociva é a tentativa de manterem-se apartados da luta pelos interesses cotidianos e imediatos da classe trabalhadora, em uma “unificação nacional” ou uma “paz social” com os democratas burgueses. Duas tarefas, confundidas em apenas uma, correspondem aos partidos comunistas coloniais e semicoloniais: por um lado, lutar por uma solução radical dos problemas da revolução democrático-burguesa e que tenha por objetivo a conquista da independência política; por outro lado, organizar as massas operárias e camponesas para permitir-lhes lutar pelos interesses particulares de sua classe e utilizar com esse fim todas as contradições do regime democrático-burguês. Ao formular reivindicações sociais, estimulam e liberam a energia revolucionária que não encontrava nenhuma saída nas reivindicações liberais burguesas. A classe trabalhadora das colônias e semicolônias deve saber firmemente que a extensão e a intensificação da luta contra o jugo imperialista das metrópoles podem dar-lhe um rol diretor na revolução e que unicamente a organização econômica e política e a educação política da classe trabalhadora e dos elementos semiproletários podem aumentar a amplitude revolucionária do combate contra o imperialismo.
Os partidos comunistas dos países coloniais e semicoloniais do Oriente, que estão ainda em um estado mais ou menos embrionário, devem participar em todo movimento que seja apto a permitir-lhes acesso às massas. Mas devem levar uma luta enérgica contra os prejuízos patriarcal-corporativos e contra a influência burguesa nas organizações operárias para defender essas formas embrionárias de organizações profissionais, contra as tendências reformistas, e transformá-las em órgãos combativos das massas. Devem empregar todas as suas forças em organizar os numerosos jornaleiros e jornaleiros rurais, assim como os aprendizes de ambos os sexos, no terreno da defesa de seus interesses cotidianos.
VI
A Frente Única Anti-Imperialista
Nos países ocidentais que atravessam um período transitório caracterizado por uma acumulação organizada de forças, foi lançada a consigna de frente única proletária. Atualmente, nas colônias orientais, é indispensável lançar a consigna de frente única anti-imperialista. O oportuno desta consigna está condicionado pela perspectiva de uma luta a longo prazo contra o imperialismo mundial, luta que exige a mobilização de todas as forças revolucionárias. Esta luta é tão mais necessária devido às classes dirigentes nativas serem propensas a comprometerem-se com o capital estrangeiro, e seus compromissos atacarem os interesses primordiais das massas populares. Da mesma maneira que a consigna da frente única proletária no Ocidente contribuiu e ainda contribui para desmascarar a traição, por parte dos socialdemocratas, aos interesses do proletariado, a consigna da frente única anti-imperialista contribuirá também para desmascarar as dúvidas e incertezas dos diversos grupos do nacionalismo burguês. Por outro lado, esta consigna ajudará no desenvolvimento da vontade revolucionária e para o esclarecimento da consciência de classe dos trabalhadores, incitando-os a lutar na primeira fileira, não somente contra o imperialismo, mas também contra toda espécie de sobrevivência do feudalismo.
Antes de tudo, o movimento operário dos países coloniais e semicoloniais deve conquistar uma posição como fator revolucionário autônomo na frente anti-imperialista comum. Somente se se reconhece esta importante autonomia e se conserva sua plena independência política, são admissíveis e inclusive indispensáveis os acordos temporários com a democracia burguesa. O proletariado defende e desfralda reivindicações parciais, como por exemplo a república democrática independente, a concessão às mulheres dos direitos que não têm, etc, enquanto a correlação de forças que existe neste momento não permite colocar como tarefa imediata a realização de seu programa soviético. Ao mesmo tempo, busca lançar consignas suscetíveis de contribuição com a fusão política das massas camponesas e semiproletárias com o movimento operário. A frente única anti-imperialista está ligada indissoluvelmente com a orientação para a Rússia soviética.
Explicar às multidões trabalhadoras a necessidade de sua aliança com o proletariado internacional e com as repúblicas soviéticas é um dos principais pontos da tática anti-imperialista. A revolução colonial não pode triunfar a menos que seja junto com a revolução proletária nos países orientais.
O perigo de uma aliança entre o nacionalismo burguês e uma ou várias potências imperialistas hostis, em detrimento das massas populares, é muito menor nos países coloniais do que nos países semicoloniais (China, Pérsia) ou do que nos países que lutam por autonomia política explorando com esse efeito as rivalidades imperialistas (Turquia);
Embora reconhecendo que compromissos parciais e provisórios possam ser admissíveis e indispensáveis quando se trata de uma trégua durante a luta de emancipação revolucionária conduzida contra o imperialismo, a classe operária deve opor-se com intransigência a toda tentativa de partilha de poder entre o imperialismo e as classes dirigentes nativas, seja essa partilha feita abertamente ou de forma encoberta, pois tem por objetivo conservar os privilégios dos dirigentes. A reivindicação de uma aliança estreita com a República Proletária dos Sovietes é a bandeira da frente única anti-imperialista. Após tê-la elaborado, é necessário lutar decisivamente pela máxima democratização do regime político, para privar  de todo apoio os elementos social e politicamente mais reacionários e com o fim de assegurar aos trabalhadores a liberdade de organização que lhes permita lutar por seus interesses de classe (reivindicações da república democrática, reforma agrária, reforma dos impostos sobre a terra, organização de um aparato administrativo baseado sobre o princípio de um amplo governo próprio, legislação operária, proteção contra o trabalho infantil, proteção da maternidade, da infância, etc). Inclusive sobre o território da Turquia independente, a classe operária não goza da liberdade de coalizão, o que pode servir de índice característico da atitude adotada pelos nacionalistas burgueses a respeito do proletariado.
VII
As tarefas do proletariado nos países do Pacífico
Por outro lado, a necessidade de organização de uma frente anti-imperialista se dá pelo crescimento permanente e ininterrupto das rivalidades imperialistas. Essas rivalidades assumem atualmente tal agudeza que uma nova Guerra Mundial, em que o Oceano Pacífico seria o cenário, é inevitável caso a revolução internacional não a previna.
A Conferência de Washington foi uma tentativa de remediar esse perigo, mas na realidade não foi feito mais que aprofundar e exasperar as contradições do imperialismo. A luta que teve lugar recentemente entre Hu-Pel-Fu e Chan-So-Jin na China é a consequência direta do fracasso dos capitalismos japonês e anglo-americano para pôr em acordo seus interesses em Washington. A nova guerra que ameaça o mundo arrastará não apenas o Japão, a América e a Inglaterra, mas também as outras potências imperialistas, tais como França e Holanda, e tudo deixa prever que esta guerra será ainda mais devastadora que a de 1914-1918.
A tarefa dos partidos comunistas coloniais e semicoloniais dos países costeiros do Oceano Pacífico consiste em desenvolver uma enérgica propaganda, tendo por objetivo explicar às massas o perigo que as aguarda e chamá-las a uma luta ativa pela libertação nacional, além de insistir para que se orientem em direção à Rússia Soviética, apoio de todos os oprimidos e de todos os explorados.
Os partidos comunistas dos países imperialistas, tais como EUA, Japão, Inglaterra, Austrália e Canadá têm o dever, ante o perigo iminente, de não limitarem-se a uma propaganda contra a guerra, mas esforçar-se por todos os meios para descartar os fatores capazes de desorganizar o movimento operário destes países, como também os que facilitem a utilização pelos capitalistas dos antagonismos de nacionalidades e raças.
Estes fatores são: a questão da imigração e do mercado barato da mão de obra de cor.
O sistema de contrato é, até agora, o principal meio de recrutamento dos trabalhadores de cor para as plantações de cana de açúcar dos países do sul do Pacífico onde os trabalhadores são importados da China e da Índia. Este fato determinou que os operários dos países imperialistas exigissem que fossem postas em vigor leis que proíbam a imigração e o emprego da mão de obra de cor, isso tanto na América quanto na Austrália. Estas leis proibitivas agudizam o antagonismo que existe entre os trabalhadores brancos e os trabalhadores de cor, dividindo e debilitando a unidade do movimento operário.
Os partidos comunistas dos Estados Unidos, do Canadá e da Austrália devem empreender uma enérgica campanha contra as leis proibitivas e mostrar às massas proletárias destes países que tais leis, incitando as inimizades de raças, voltam-se no fim das contas contra os próprios trabalhadores dos países proibicionistas.
Por outro lado, os capitalistas suspendem as leis proibitivas para facilitar a imigração da mão de obra de cor, que trabalha a menor preço, para assim diminuir o salário dos trabalhadores brancos. Esta intenção manifesta dos capitalistas de passar à ofensiva pode ser desbaratada de maneira eficaz se os trabalhadores imigrados entrarem nos sindicatos onde estão organizados os trabalhadores brancos. Tal medida tomada pelos partidos comunistas desmascarará as intenções capitalistas e ao mesmo tempo mostrará com evidência aos trabalhadores de cor que o proletariado internacional está desprovido de preconceitos de raça.
Para levar a cabo as medidas indicadas anteriormente, os representantes do proletariado revolucionário dos países do Pacífico devem convocar uma conferência entre esses países, que elaborará a tática a seguir e encontrará as formas de organização para a edificação efetiva do proletariado de todas as raças dos países do Pacífico.
VIII
As tarefas coloniais dos partidos metropolitanos
A importância primordial do movimento revolucionário nas colônias para a revolução proletária internacional exige uma intensificação de sua ação nas colônias por parte dos partidos comunistas das potências imperialistas.
O imperialismo francês conta, para a repressão das forças da revolução proletária na França e na Europa, com os nativos das colônias que, segundo sua ideia, servirão de reserva para a contrarrevolução.
Como no passado, os imperialismos inglês e americano continuam dividindo o movimento operário e atraindo para o seu lado a aristocracia operária com a promessa de outorgar-lhe uma parte da mais-valia proveniente da exploração colonial.
Cada um dos partidos comunistas dos países que possuam um domínio colonial, deve encarregar-se de organizar sistematicamente uma ajuda material e moral ao movimento revolucionário operário das colônias. A todo custo é necessário combater inflexivelmente e sem trégua as tendências colonizadoras de certas categorias de trabalhadores europeus ultrapassados que trabalham nas colônias. Os trabalhadores comunistas europeus das colônias devem esforçar-se por agrupar os proletários nativos, ganhando sua confiança mediante reivindicações econômicas concretas (aumento dos salários nativos até o nível dos salários dos trabalhadores europeus, proteção do trabalho, etc.). A criação nas colônias (Egito e Argélia) de organizações comunistas europeias isoladas não é mais que uma forma mascarada da tendência colonizadora e ainda assegura os interesses imperialistas. Construir organizações comunistas segundo o princípio nacional é pôr-se em contradição com os princípios do internacionalismo proletário. Todos os partidos da I.C. devem explicar constantemente às multidões trabalhadoras a extrema importância da luta contra a dominação imperialista nos países atrasados. Os partidos comunistas que atuam nos países metropolitanos devem formar, ao lado de seus comitês diretores, comissões coloniais permanentes, que trabalharão para os fins indicados mais acima. A I.C. deve ajudar os partidos comunistas do Oriente, em primeiro lugar dando-lhes ajuda para a organização da imprensa, para a edição periódica de jornais redigidos nos idiomas locais. Particular atenção deve ser acordada para ação entre as organizações operárias europeias e entre as tropas de ocupação coloniais. Os partidos comunistas das metrópoles devem aproveitar todas as ocasiões que se lhes apresentem para denunciar o banditismo da política colonial de seus governos imperialistas, como também de seus partidos burgueses e reformistas.
Apresentado no Quarto Congresso da Internacional Comunista, 7 de novembro de 1922

PERÚ: La Huelga Nacional Indefinida de las Bases Regionales del SUTEP continúa y se radicalizara

PERÚ: Ante la intransigencia de la ministro Martens fracasa ronda negociadora. correovermello-noticias Lima, 22.08.17


La huelga continúa y se radicalizara según informan medios cercanos a los millares de maestros y maestras de todas las regiones del país, representados en el Comité de Lucha Nacional de las Bases Regionales del SUTEP, concentrados en la plaza San Martin de Lima. Su dirigente, Pedro Castillo, anuncio un paro nacional de 24 horas en apoyo a los docentes.

"Hemos encontrado una represión en la calle, una represión en la mesa y una presión a la dignidad del magisterio, tildándole que somos de tal o cual color", señaló el compañero Castillo.

"Maestros y maestras reiteramos aquí que nuestra única arma que nos ha llevado a esta huelga nacional indefinida es una sola y esa arma es nuestra razón. Qué pecado hemos cometido los ciudadanos de este país de haber elegido de ser maestros y contribuir con la formación de los ciudadanos de la patria", agregó.

  De nada valió, el espíritu de dialogo de los docentes frente a la cerrazón de una ministra incompetente y prepotente, que se negó a negociar personalmente con los profesores y los miembros del Congreso presentes en la sede ministerial de San Borja. Se informa que los docentes de Cusco retomaran de nuevo la huelga. Publicado por dazibao rojo en 12:41 p. m.

Editor AND Brasil Nosso sincero agradecimento aos companheiros e companheiras por suas mensagens em saudação ao 15º aniversário de nosso jornal

 
 

Editor AND Brasil editorandbr@gmail.com

Aug 21 um 10:33 PM

 

Muito obrigado, companheiros e companheiras,

 
Nosso sincero agradecimento aos companheiros e companheiras dos movimentos populares democráticos e revolucionários, blogs e organizações classistas e combativas por suas mensagens em saudação ao 15º aniversário de nosso jornal.

 

Sentimo-nos fortalecidos com o apoio e repercussão que os companheiros e companheiras dão ao nosso trabalho traduzindo e replicando nossos artigos e notícias em todos os continentes!

 

Celebramos com júbilo as vitórias da imprensa democrática e popular nesse momento de aguda crise do imperialismo em que sua ofensiva contrarrevolucionária, tendo alcançado o mais elevado grau de podridão e bestialidade começa a declinar e as massas exploradas e oprimidas de todo mundo resistem e combatem com cada vez mais vigor.

 

Nessa dura briga, amadurecem as condições subjetivas para que avance mais e mais a Nova Grande Onda da rebelião popular em todo mundo. Com ela, avançamos! Humildemente, seguimos lutando e levando adiante nossas tarefas.

 

Contem sempre com nosso jornal como tribuna sempre a serviço da luta dos povos em todos os países.

 

Recebam todos e todas nossas saudações de Nova Democracia!